22 vilarejos europeus perfeitos para um cartão postal que parecem ter saído de um conto de fadas

A noção de aldeias perfeitas em termos de cartão postal, imersa no charme do velho mundo, inspirou séculos de viajantes que se espalharam por toda a Europa, em busca de suas aldeias isoladas.

Como resultado, os pontos turísticos do continente raramente permanecem ocultos por muito tempo. Não é preciso muito para fazer uma vila encantadora se sentir desconfortavelmente popular. Considere as cinco aldeias de pescadores que compõem as Cinque Terre, na Itália, onde um passeio noturno de verão geralmente parece um baralho em um parque de diversões lotado, completo com restaurantes superfaturados e lojas de souvenirs.

Mas a poucos quilômetros da costa, a multidão é Tellaro, outra bonita vila à beira-mar que é menos acessível e, portanto, intocada. Uma sensação semelhante de descoberta é a principal atração de regiões negligenciadas que abrigam pedras preciosas como a vila de Colmar, na França.

O primeiro requisito de uma bonita vila é um local pitoresco, seja entre os fiordes noruegueses ou nas ilhas gregas banhadas pelo sol. Mas os melhores também têm características distintas, como a praça cercada de fachadas de cor pastel em telč, na República Tcheca, ou o inesquecível castelo vitoriano que se ergue acima dos telhados de palha de Cong, na Irlanda.

Alcançar algumas dessas belezas europeias exige um esforço extra, mas as recompensas são deslumbrantes. Seus olhos vão te agradecer.

1) Tellaro, Itália

Estradas sinuosas no alto de um penhasco e um porto minúsculo protegeram Tellaro da onda de turismo que engoliu outras cidades litorâneas da Ligúria como Vernazza e Portofino. Uma confusão de prédios em tons pastel se apega vertiginosamente aos penhascos de Tellaro, que ocupa a ponta mais oriental do Golfo dei Poeti. É nomeado para os poetas e ícones literários como Lord Byron e D. H. Lawrence, que buscaram inspiração neste refúgio mediterrâneo.

2) Bibury, Inglaterra

A região montanhosa de Cotswold é designada como “Área de Beleza Natural Notável” no sudoeste da Inglaterra, e uma de suas mais belas vilas é Bibury, onde prados verdejantes abrigam antigas cabanas de pedra com telhados inclinados íngremes. O rio Coln, que corta a vila, é repleto de trutas, mas a área mais pitoresca é a Arlington Row, uma rua de casas em tons de sépia construídas no século XVII para abrigar tecelãs da vizinha Arlington Mill.

3) Hallstatt, Áustria

A cidade de livros de contos de Hallstatt, no centro da Áustria, desfruta de um cenário deslumbrante na margem do Hallstätter See, entre o lago intocado e uma montanha exuberante que se eleva drasticamente a partir da borda da água. Uma história de mineração de sal que remonta a milhares de anos se traduziu em prosperidade duradoura para a cidade, que é mais evidente na bela praça cercada de prédios cobertos de hera.

4) Folegandros, Grécia

As ruas de Santorini caem com admiradores, mas em Folegandros, uma ilha próxima nas Cíclades, você encontrará arquitetura semelhante – ruas pavimentadas em ardósia, edifícios caiados de branco decorados com flores coloridas, a igreja ortodoxa grega ocasional com uma cúpula azul brilhante – sem as multidões . Para um mergulho isolado, caminhe até Katergo, um trecho abrigado de praia onde ondas suaves de cor azul esmeralda revoam a costa.

5) Colmar, França

As influências francesas e alemãs misturam-se nesta bem preservada vila da Alsácia, onde padarias locais vendem croissants e kugelhopf, e restaurantes especializados em foie gras e chucrute (ou chucrute). Uma variedade de estilos arquitetônicos, do gótico alemão ao francês neobarroco, pode ser vista na cidade velha, que foi poupada da destruição durante a Segunda Guerra Mundial – em parte graças à beleza histórica de suas ruas de paralelepípedos, canais tranquilos e casas de madeira.

6) Reine, Noruega

Ao norte do Círculo Ártico, Reine é uma bonita vila de pescadores no arquipélago de Lofoten, uma área de beleza nórdica, onde baías de safira pontuam fiordes e montanhas. Muitas das cabines dos pescadores vermelhos brilhantes (chamadas de rorbuer) foram convertidas em confortáveis ​​chalés para visitantes que oferecem acesso direto ao Mar da Noruega. Acomode-se para ver a primeira fila do céu noturno e seu entretenimento hipnotizante, do sol da meia-noite de verão até as luzes do norte do inverno.

7) Telč, República Checa

Moradores de Telč, uma pequena cidade no sul da Morávia, já foram bastante competitivos sobre a beleza de suas casas, como é evidente hoje na praça principal, onde um edifício é mais bonito do que o outro. As fachadas em estilo barroco e renascentista, com altos frontais pintados em tons pastéis, agora sustentam pequenas lojas e cafés. Um grande castelo da era renascentista e grandes lagos cheios de peixes cercam a praça.

8) Albarracín, Espanha

Uma parte da Espanha medieval foi preservada dentro das muralhas desta vila, que é cercada pelas colinas áridas da região central de Aragão. As vielas estreitas de Albarracín e as ruas sinuosas aguardam por antigas torres de pedra e castelos e capelas de tons ocre. Acima de tudo, há uma catedral construída no estilo típico mudéjar da região, com detalhes ornamentais enraizados na arte islâmica.

9) Pučiśća, Croácia

Os ônibus e cruzeiros que param ao longo da ensolarada costa dálmata da Croácia soltam turistas ansiosos por experimentar os encantos de Dubrovnik e a antiga vila de Hvar. Poucos visitantes encontram o caminho para Pučiśća na ilha de Brač. A recompensa é uma vila à beira-mar com apelo exagerado: vilas de pedra branca com telhados de terracota, ruelas de paralelepípedos estreitos e uma praça pavimentada de pedra. Deleite-se com sua relativa solidão e os muitos pontos principais para nadar no azul turquesa do mar Adriático.

10) Cong, Irlanda

Rodeada por riachos, a pitoresca aldeia de Cong fica na fronteira entre o condado de Mayo e o condado de Galway – uma região de lagos e campinas vibrantemente verdes salpicadas de ovelhas pastando. Cong conta com numerosas pontes de pedra, as ruínas de uma abadia medieval, a cabana de telhado de colmo ocasional, e Ashford Castle, uma grande propriedade vitoriana que foi convertida em um hotel de luxo romântico.

11) Gruyères, Suíça

Gruyères é famosa pelo seu queijo homônimo, cujo sabor suave e aveludado derrete tão bem no fondue. Mas poucos estão familiarizados com a cidade em si, uma aldeia medieval no vale superior do rio Saane, no oeste da Suíça. Uma larga rua de calçada de pedra leva ao magnífico Castelo Gruyères, do século XIII, com suas fortificações imponentes e vistas amplas para os arredores das colinas dos Alpes.

12) Bled, Eslovênia

Esta pequena cidade alpina no noroeste da Eslovênia fica às margens do Lago Bled, cujas águas azuis glaciais rodeiam uma pequena ilha e sua pequena igreja barroca. Depois de um passeio de duas horas ao redor do lago, caminhe até o castelo medieval para vistas panorâmicas ou recarregue com uma fatia da especialidade local: kremšnita, uma massa recheada com creme e creme que tem sido servida há décadas no Hotel Parque.

13) Óbidos, Portugal

Uma fatia da Ibéria medieval foi preservada dentro das muralhas de Óbidos, no topo de uma colina perto da costa ocidental de Portugal. Desde que encantou a rainha Isabel no século XIII (a cidade foi um presente do seu marido, D. Dinis), Óbidos continuou a impressionar os visitantes que passam pelas suas formidáveis ​​fortificações. Dentro das muralhas há um labirinto de casas caiadas de branco cobertas de buganvílias, além de passarelas de paralelepípedos e muitos bares que servem ginjinha, um licor local feito com cerejas azedas.

14) Olha, Suíça

Uma estrada montanhosa e sinuosa leva à remota vila alpina da Guarda, na região de Lower Engadine, uma região acidentada no leste da Suíça que não tem nenhum dos flashes encontrados na vizinha Engadina Superior (conhecida por resorts de esqui exclusivos como St. Moritz). Entre os picos das montanhas e os prados verdejantes, esse enclave se destaca por sua arquitetura pitoresca, com muitas casas bonitas adornadas com pinturas tradicionais, janelas gravadas e inscrições antigas chamadas sgraffiti. Enquanto vagueia pelas ruas tranquilas, ouça os locais que falam romanche, uma língua que sobrevive apenas nesta região isolada.

15) Marsaxlokk, Malta

Na costa sudeste de Malta, Marsaxlokk é uma antiga vila de pescadores cujo porto transborda de barcos de pesca antiquados chamados luzzus. Pintados com os olhos nos arcos, esses barcos coloridos reúnem-se em grande parte do atum, peixe-espada e lampuki local (mahimahi) que é servido nos restaurantes de frutos do mar e vendido no mercado de peixe de domingo. Uma curta caminhada pela costa é a St. Peter’s Pool, uma enseada escondida cercada por bordas de calcário, onde os moradores mergulham no mar cristalino.

16) Giethoorn, Holanda

Aqueles que buscam um alívio da vida na cidade encontrarão a serenidade dos tempos mais simples em Giethoorn. Em vez de estradas, a vila livre de carros tem quilômetros de canais, então o principal meio de transporte é de barco. Flutue pelos canais estreitos, passando por casas de fazenda com telhados de colmo e casas cercadas por jardins florescentes, e por baixo de dezenas de pontes de madeira que conectam cada terreno gramado. Ou retorne no inverno, quando patinadores de gelo deslizam sobre os canais congelados.

17) Banská Štiavnica, Eslováquia

No centro de uma vasta caldeira, esta cidade medieval bem preservada no sul da Eslováquia – um dia de viagem fácil a partir de Budapeste – também é um Patrimônio Mundial da UNESCO. A área, rica em minério de prata, alimentou a prosperidade da aldeia, que hoje ainda é visível nos castelos românico e renascentista, igrejas góticas e neoclássicas, grandes palácios e praças elegantes que compõem o centro histórico. Embora as operações de escavação tenham cessado há um século, as antigas minas de prata e ouro foram transformadas em um museu a céu aberto.

18) Cochem, Alemanha

Nas margens do sinuoso Rio Mosela, Cochem é uma pacata aldeia alemã com casas tradicionais em enxaimel tocando a praça central e casinhas bonitinhas nas ruas de paralelepípedos. Um passeio ao longo do encantador passeio ribeirinho proporciona vistas do castelo da cidade no topo de uma colina próxima. E os vinhedos ao redor do enevoado Vale do Mosela – onde vinhas em terraços se agarram a encostas impossivelmente íngremes – oferecem uma ampla oportunidade para provar os vinhos brancos e floridos da região.

19) Bosa, Itália

Longe das estâncias balneares que têm muitas queixas sobre o superdesenvolvimento na Sardenha, Bosa continua a ser uma jóia inexplorada na costa noroeste da ilha. A cidade medieval, nas margens do rio Temo, tem uma atraente frente de rio com palmeiras e palácios pintados em tons pastel. O centro histórico, coroado por uma fortaleza no topo do século XII, é todo um passo de pedra, praças arborizadas e casas com varandas de ferro forjado.

20) Kazimierz Dolny, Polônia

Há muito tempo que os artistas se dirigem para esta aldeia bem preservada perto do rio Vístula, no centro da Polónia. A natureza intocada ao redor de Kazimierz Dolny – incluindo desfiladeiros e túneis do outro mundo criados a partir de raízes de árvores entrelaçadas – forneceu inspiração para os pintores. Mas a cidade em si, com sua praça de mercado pavimentada de pedra e monumentos da era da Renascença, também é repleta de arte. Como prova, visite as muitas galerias de arte polonesa escondidas nas ruas laterais.

21) Rättvik, Suécia

Bela de uma forma classicamente sueca, Rättvik é encontrado entre hectares de floresta e as águas límpidas do Lago Siljan em Dalarna, a região central que muitos consideram o autêntico coração da Suécia. Ao redor da cidade, edifícios históricos de madeira são pintados em Falu Rödfärg – a cor vermelha profunda nascida na mina de cobre do vizinho Falun. As lojas locais estão repletas de artesanatos como cavalos decorativos Dala, um símbolo da Suécia que se originou na região. E durante feriados e festivais, as ruas se enchem de moradores mostrando seu melhor vestido folclórico.

22) Dinant, Bélgica

Em uma estreita faixa de terra entre penhascos íngremes e o rio Meuse, fica Dinant, uma cidade histórica na região da Valônia, de língua francesa, na Bélgica. Conhecedores de cerveja podem conhecer Dinant como o local de nascimento de Leffe, uma das cervejas belgas mais conhecidas, que foi batizada em homenagem a Notre-Dame de Leffe, a abadia local onde os monges começaram a fermentar no século XIII. Também oferece maravilhosas vistas panorâmicas da cidadela no topo da falésia com vista para a catedral em estilo gótico da cidade compacta e torre sineira em forma de pêra.

Via: Travel + Leisure

Compartilhe, se você curtiu esse post!

Simple Share Buttons