A Floresta Amazônica Está Liberando Mais Carbono Do Que Absorvendo

Photo: pedarilhos/DepositPhotos

Todos nós sabemos a importância da floresta amazônica para a saúde do nosso planeta. Por décadas, as organizações de conservação montaram campanhas para salvar o terreno tropical. Infelizmente, os problemas enfrentados pela floresta tropical foram mais uma vez colocados no centro das atenções quando os incêndios violentos queimaram a Amazônia brasileira em 2019. E agora, aparentemente, há mais notícias ruins sobre este precioso recurso.

Cientistas acabam de confirmar que, pela primeira vez, a floresta amazônica está emitindo mais dióxido de carbono do que pode absorver. Esta é uma informação preocupante, já que a capacidade da floresta de absorver dióxido de carbono tem sido vital para equilibrar as emissões globais de carbono. O estudo, que foi publicado no início deste ano, mostrou que a floresta tropical do Brasil emitiu cerca de 20% mais dióxido de carbono do que absorveu no período de 2010 a 2019.

O desmatamento e os incêndios tiveram um impacto direto nas descobertas, pois houve uma diferença marcante entre as partes leste e oeste da floresta tropical. “No leste da Amazônia, que está em torno de 30% desmatado, essa região emitiu 10 vezes mais carbono do que no oeste, que está em torno de 11% desmatado”, diz a autora principal Dra. Luciana Gatti, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil (INPE).

Photo: pedarilhos/DepositPhotos

É uma notícia que confirma que há consequências graves e de longo prazo para relaxar as leis de conservação e deixar de fazer cumprir as leis que estão nos livros. O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, sempre foi criticado por suas políticas ambientais frouxas, que incluíram um corte dramático no orçamento para a agência ambiental do país. Em 2019, também demitiu o então diretor do INPE por divulgar dados sobre o desmatamento.

A região sudeste da Amazônia está registrando temperaturas recordes. Durante os dois meses mais quentes do ano, a área registrou temperaturas que são três vezes a média global e são comparáveis ao aumento de temperatura visto no Ártico. Outra consequência dessas mudanças é a falta de precipitação que, segundo os cientistas, está ligada às mudanças climáticas.

“Temos muitos problemas com a falta de precipitação, como a eletricidade das hidrelétricas ficando mais cara. Também há grandes perdas na agricultura ”, explicou o Dr. Gatti. “Precisamos vincular isso ao desmatamento da Amazônia e mudar o comportamento.”

Então, o que pode ser feito? Alguns países da União Europeia estão procurando alavancar um acordo comercial com o Brasil e outros países. França, Irlanda e Áustria disseram que não assinariam o acordo a menos que Bolsonaro fizesse mais para proteger a floresta tropical. Embora Bolsonaro tenha afirmado no passado que a floresta tropical é “intocada”, ele recentemente emitiu uma proibição de 120 dias contra incêndios não autorizados. Mas sem uma mudança mais consistente, isso não será suficiente.

Se você deseja se envolver, mas não tem certeza de como fazer a diferença, existem muitas maneiras de ajudar a proteger a floresta amazônica, não importa onde você more. Isso vai desde mudar seus hábitos de compra até garantir que seus governantes eleitos saibam que você gostaria que eles defendessem o meio ambiente. Cada pequena ajuda quando se trata da Amazônia, e é hora de agir antes que os danos aumentem ainda mais.

h / t: [The Guardian, BBC]

Compartilhe se curtiu essa notícia!

Via: My Modern Met